01 junho 2009

De profundis








Estamos prostrados, inúteis, em frente à janela mais próxima. O tempo disparou feito fuga iminente. Assim, disparado, nos transpassa em vultos densos e agonia peculiar.
Não vemos agora um ao outro; um outro de nós mesmos avançou no lugar.
O silêncio atribui-se a nós em uma pálida melancolia. Silenciosos, somos severamente menos interessantes ao voltarmos para a casa onde os espaços perdem-se no meio de nossos momentos desperdiçados. Definhamos.
Calamos olhares que outrora misturaram-se ao desespero constrangedor de não poder gritar - no escuro - nossas falsas inquietações.

5 comentários:

Carolina. disse...

ai, amei.

C. A. disse...

fiquei pensando sobre "nossas falsas inquietações"...

alice disse...

amei também.

estarei em poa de 13 a 18 agora próximos.

ci vediamo?
qual a programação pro sábado 13?

bise

carol disse...

oi querida! só pra avisar que agora sou www.carolinacos.com. quando der, muda meu link no teu blog!
beijinho

carol disse...

como assemm, cabelos brancos também?
quero ver já!
besote