08 março 2009

E se for só bom?

.

Tirei a calça que apertava a minha barriga e resolvi lavar o rosto no tanque, com sabão mesmo. Enquanto lavava, tentei enxergar o meu reflexo na torneira, queria saber se me lavava direito, se minha cara não iria ficar borrada de rímel e com uma aparência meio cadavérica. Eu odiaria isso.
Sequei meu rosto no pano de prato da cozinha e me procurei ver novamente, mas dessa vez na chaleira que estava no fogão. Ela já tinha muitos anos e talvez por isso estivesse toda riscada e gasta de tantos reflexos produzidos. Não pude olhar a mim mesma em nenhum utensílio da cozinha. Nada parecia querer me refletir. Foi quando eu percebi que aquilo que eu buscava não era a minha própria imagem refletida em algum objeto de inox. Eu queria outra coisa. Algo que não poderia ser tão simples sentir; algo que não era como esse gole de água gelada que eu acabei de engolir.

.

4 comentários:

Carolina. disse...

fico tão perplexa com o que leio aqui que nem sei o que comentar. o "muito bom" eu já disse no post acima o.O
mas vamos lá: gosto da forma como, com tão poucas palavras, tu exprimes algo profundo e, ao mesmo tempo, tão acessível e verossímel. parabéns!

[se for SÓ BOM, tchau!]

Nana disse...

fazia tempo que eu não te lia! oh que vergonha. como sempre... muito bom.

carol disse...

sempre que venho, me lambuzo com muitos e novos posts. CRTL C e CTRL V as palavras da alice: livro de contos.

Guilherme Becker disse...

Profundo. Instigante. Reflexivo. Bom.